No último dia 2 de agosto, a equipe do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou um relatório técnico, analisando as demanda e da produção de Cânhamo, em constante crescimento produtivo em todo o mundo. No documento, a pesquisadora Abigail Putnam também informa sobre o quadro de regulamentação e principais tendências de consumo de produtos de Cânhamo na União Europeia (UE).

De acordo com o relatório norte-americano, o uso de Cânhamo na Europa tem uma longa história. O Cânhamo tem sido uma fonte de alimento tradicional na Europa por milhares de anos. Todas as partes da planta foram consumidas em países europeus, desde a Idade Média: sementes de cânhamo, folhas, flores e extratos.

Acompanhe em detalhes a tradução e adaptações para o Português:

O Cânhamo também tem sido usado em medicamentos antigos e como fonte de fibra para a fabricação de cordas ou pordutos têxteis. Após a proibição da Cannabis e o desenvolvimento de novas fibras sintéticas no século 20, alternativas baseadas em fósseis substituíram o Cânhamo em aplicações industriais.

Hoje, os europeus estão avaliando oportunidades para expandir o uso de Cânhamo, em parte devido a necessidade de reduzir o uso de combustíveis fósseis e produtos intensivos em carbono. Nesse sentido, a Comissão da União Europeia considera que o cultivo desse subgênero da Cannabis contribui para os objetivos do Pacto Ecológico Europeu.

Apresentado em dezembro de 2019, o objetivo geral do pacto ambiental é que torne a Europa o primeiro continente com clima neutro, até 2050.

O cultivo de Cânhamo oferece uma série de benefícios ambientais, incluindo armazenamento de carbono, prevenção da erosão, aumento da biodiversidade, baixa ou nenhuma necessidade de pesticidas e quebra de ciclos de doenças na rotação de culturas.

De acordo com a Comissão Europeia, o Cânhamo tem uma alta taxa de sequestro de carbono, onde cerca de um hectare de planta pode sequestrar 9-15 toneladas de CO2. Isso é igual a quantidade de carbono que uma floresta jovem pode sequestrar, mas leva apenas cinco meses para cultivar.

As folhas densas da planta de Cânhamo criam uma cobertura natural no solo, o que pode reduzir a perda de água e proteger áreas contra a erosão do solo. Em termos de benefícios para a biodiversidade, o ciclo de floração da planta de Cânhamo cria grandes quantidades de pólen, que suporta a polinização de outros plantações.

O uso de pesticidas pode ser reduzido devido a sua baixa suscetibilidade as pragas. Por último, o sombreamento do Cânhamo capacidade e taxa de crescimento rápido reduzem o crescimento de ervas daninhas, então esse cultivar pode ajudar a quebrar os ciclos de doenças na cultura rotação. Devido aos benefícios ambientais e de sua versatilidade em usos industriais e alimentícios, a produção de Cânhamo tem aumentado em produção na União Europeia.

Produção de Cânhamo na UE

Segundo a Comissão Europeia, 34.960 hectares de terra foram dedicados ao cultivo de cânhamo na UE, em 2019. Isso representa um aumento de 75% em relação aos 19.970 hectares cultivados, em 2015. Embora a área de cultivo tenha aumentado, ainda representa apenas 0,02% das terras cultivadas na UE.

A França é a maior produtora de Cânhamo da UE, representando mais de 70% da produção no continente, seguida dos Países Baixos (10%) e da Áustria (4%).

Figura 1: Área de terra da UE usada para cultivo de Cânhamo (Fonte: Eurostat and European Commission)

A França lidera os Estados-Membros da UE com a maior área agrícola, dedicada ao cultivo de Cânhamo em quase 18.000 hectares (aproximadamente 44.5000 acres ou pouco mais de 180 mil m2). É seguido pela Itália, Holanda e Estônia.

Figura 2 Áreas para cultivo de Cânhamo pelos Estados-Membros / Fonte: European Industrial Hemp Association (EIHA) – Dados de 2018


Suporte CAP

Common Agricultural Policy (CAP) (Política Agrícola Comum) foi lançada em 1962, como uma parceria entre agricultura e sociedade e entre a União Europeia e os seus agricultores. É gerido e financiado pela União Europeia e segue uma política comum para todos os Estados-Membros. A CAP visa: Apoiar os agricultores e melhorar a produtividade agrícola:

  • Assegurar a continuidade e um fornecimento estável de alimentos;
  • Salvaguardar os agricultores da União Europeia e garantir que tenham uma vida razoável;
  • Ajudar a combater as mudanças climáticas e garantir a gestão sustentável dos recursos naturais;
  • Incentivar a agricultura ambientalmente sustentável em toda a UE;
  • Apoiar o desenvolvimento económico rural, por mei da promoção de empregos na agricultura, agroindústrias de alimentos e setores afins.

No âmbito da Política Agrícola Comum, a UE presta apoio aos agricultores que cultivam cânhamo. O cultivo para uso industrial é elegível para pagamentos diretos por área coberta pela Política Agrícola Comum da UE. Além disso, em França, Romênia e Polônia, o apoio associado voluntário é implementado para o Cânhamo. Isso significa que existe uma ligação entre o recebimento de pagamentos de apoio ao rendimento e a produção da variedade de Cannabis sativa.

Para serem elegíveis para pagamentos diretos para o Cânhamo Industrial, os agricultores devem cumprir normas específicas. Primeiro, devem produzir apenas sementes certificadas e de variedadesque constam no catálogo comum da UE de espécies de planos agrícolas podem ser cultivada e/ou utilizada nos cultivos. Atualmente, existem 75 variedades de Cânhamo, aprovadas para uso na UE.

Em dezembro de 2021, a União Europeia adotou sua nova Política Agrícola Comum para o período 2023-2027, que entrará em vigor em 1º de janeiro de 2023. Nessa agenda de compromissos entre os países que atuam com a Cannabis sativa L. reconhece a possibilidade de os agricultores receberem pagamentos por variedades de Cânhamo (já registradas) e que tenham um nível máximo de teor de tetrahidrocanabinol (THC) abaixo de 0,3%.

Até 1º de janeiro de 2023, a variedade de Cânhamo que continua a ser cultivada deve ter um nível de THC abaixo de 0,2%. O limite do nível de THC só se aplica se agricultores desejam receber pagamentos diretos, portanto, é possível plantar Cânhamo com níveis de THC ao longo do Limite da UE se for autorizado por regulamentos nacionais.

Quadro regulamentar Cânhamo

De acordo com o artigo 189 do Regulamento da UE 1308/2013, todas as importações de Cânhamo estão sujeitas a uma importação exigência de licença. Além disso, até 1º de janeiro de 2023:

Quadro regulamentar do Cânhamo

De acordo com o artigo 189 do Regulamento da UE 1308/2013, todas as importações de Cânhamo estão sujeitas a exigência de uma licença de importação. Além disso, até 1º de janeiro de 2023:

Cânhamo cru (bruto) do código CN1 530210, deve ter um teor de THC não superior a 0,2%.

As sementes para sementeira devem ser acompanhadas da prova de que o teor de THC da variedade em causa não excedeu o limite.

As sementes de Cânhamo não utilizadas para sementeira só podem ser importadas com autorização da UE

Os Estados-Membros e os importadores autorizados devem apresentar prova de que as sementes foram colocadas em uma condição que exclui o uso para semeadura;

Observe que os Estados-Membros da UE também podem aplicar regras mais restritivas. produtores dos EUA que procuram exportação para a UE deve cumprir as mesmas regras e requisitos da UE, em relação à produção de sementes, certificação, rotulagem e embalagem e qualidade da semente colhida na UE.

O marketing de propagação material de Cânhamo não é protegido pela legislação da UE. Para mais informações sobre a legislação nacional, contacte o Gabinete FAS no Estado-Membro relevante. A lista completa de detalhes de contato está disponível aqui: https://fas-europe.org/countries

É de responsabilidade do importador, e não do exportador, obter a licença de importação AGRIM das autoridades competentes dos Estados-Membros da UE. Em termos de sementes e variedades de cânhamo, a Diretiva 2002/53/CE define as regras para a inclusão espécies vegetais no catálogo comum da UE. A Diretiva 2002/57/EC do Conselho abrange sementes de óleo e fibra plantas para a produção agrícola.

Apenas sementes oficialmente certificadas ou certificadas sob supervisão oficial como sementes pré-básicas, sementes básicas, sementes certificadas ou sementes comerciais podem ser comercializadas. Semente de Cânhamo, colhida em países terceiros e destinados à produção agrícola, só podem ser importados na UE com base em equivalência da UE.

Sementes de Cânhamo

O Regulamento 1881/2006 estabelece teores máximos para certos contaminantes nos alimentos, incluindo os níveis máximos de delta-9-tetrahidrocanabinol (Δ9 -THC) em sementes de Cânhamo e produtos derivados da sementes.

Tabela 1: Nível máximo de THC em sementes de cânhamo e produtos de sementes de Cânhamo ‘Alimentos (1 ) Nível máximo (mg/kg) 8.6. Delta-9-tetrahidrocanabinol (Δ 9 -THC) equivalentes (*) 8.6.1. Sementes de cânhamo 3.0 1 O código CN tem 8 dígitos. O código CN é definido a nível europeu. É composto pelos seis dígitos do código HS, ao qual são adicionados dois dígitos adicionais.

Tabela 1: Nível máximo de THC em sementes de cânhamo e produtos de sementes de cânhamo

1 O código CN tem 8 dígitos e é definido a para toda a Europa. É composto pelos seis dígitos do código HS, ao qual são adicionados dois dígitos adicionais.

Extratos de plantas de Cânhamo e novos alimentos

Em janeiro de 2019, a Comissão Europeia decidiu classificar extratos da planta de Cânhamo (Cannabis sativa L.) e produtos derivados, contendo canabinóides, como “novos alimentos”.

A planta de cânhamo contém um número de canabinóides e os mais comuns são os seguintes:

  • delta-9-tetrahidrocanabinol (Δ9- THC);
  • ácido delta-9-tetrahidrocanabinólico A (Δ9-THCA-A);
  • ácido delta-9-tetrahidrocanabinólico B (Δ9- THCA-B);
  • delta-8 tetrahidrocanabinol (Δ8-THC);
  • canabidiol (CBD);
  • ácido canabidiólico (CBDA);
  • canabigerol (CBG), canabinol (CBN);
  • canabicromeno (CBC); e
  • delta-9-tetrahidrocanabivarina (Δ9-THCV).

Esta classificação aplica-se tanto aos próprios extratos quanto a quaisquer produtos aos quais eles são adicionados como ingrediente, em todos os Estados-membros a UE. Isso também se aplica a extratos de outras plantas que contenham canabinoides. Os canabinoides obtidos sinteticamente também são considerados novos. Na UE, a classificação de um alimento como “novo” desencadeia a aplicação do Código de Alimentos.

Nova Regulamentação

O regulamento exige uma autorização de pré-comercialização para novos alimentos. Aplicativos para a autorização deve ser submetida à Comissão Europeia, por meio de um sistema de submissão eletrônica de documentos. A Comissão pode solicitar à Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), que efetue uma avaliação dos riscos.

As autorizações são genéricas e não vinculadas a um requerente específico. O novo processo de aprovação de alimentos, geralmente, leva entre nove meses e um ano. No entanto, a EFSA tem o direito de solicitar informações e o procedimento pode levar mais tempo, se necessário. Várias empresas iniciaram o processo de autorização do canabidiol (CBD) como novo alimento ingrediente. Estes casos ainda estão sendo considerados pela EFSA.

Mercado de Cânhamo na UE

A USDA estima que o mercado europeu de Cânhamo deva crescer mais na próxima década. Como mencionado acima, existe interesse das empresas europeias em utilizar matérias-primas menos intensivas em carbono para contribuir para o Acordo Verde Europeu.

Os consumidores da UE também estão cada vez mais interessados ​​em incluir “superalimentos”, como sementes de Cânhamo em suas dietas.

Figura 3: Uso de Flores de Cânhamo e licenças / Fonte: European Hemp Association

Comida e Ração animal

Todas as partes da planta de Cânhamo têm usos econômicos. As flores e folhas são usadas em produtos como chá, óleos essenciais, aplicações médicas, suplementos alimentares e outras aplicações. Além disso, existe um mercado importante na UE para as sementes de Cânhamo, que contêm níveis elevados de proteínas e quantidades consideráveis ​​de fibras, vitaminas, ômega 3 e minerais.

E as cascas das sementes de Cânhamo servem como alimentos para consumo humano, enquanto as sementes inteiras são usadas como ração para animais. Em 2021, a UE importou US$ 13,5 milhões em sementes de Cannabis sativa L. para o mercado interno, sendo a China, o Canadá e Reino Unido os três principais exportadores.

O Cânhamo em alimentos para animais de estimação também é um mercado à medida que a posse de pets cresce na União Europeia. O Cânhamo é usado principalmente para petiscos e alimentos secos.

Cosmética

Os cosméticos que incluem óleo CBD são uma tendência crescente. Seu uso se expandiu para produtos de cuidados com a pele, tais como óleos, loções, cremes, séruns faciais e bálsamos. O sérum é composto por ativos dermatológicos que hidrata a pele, reduz marcas e combate sinais de envelhecimento precoce.

O uso de CBD em cosméticos é regulamentado na UE pelo Regulamento Europeu de Cosméticos 1223/2209.

Materiais de construção

O uso de Cânhamo em materiais de construção pode reduzir as emissões de gases de efeito estufa do setor. Na UE, o mercado da construção é responsável por 40% do consumo de energia.

Existem três principais produtos à base da planta, usados ​​na construção: concreto de cânhamo de cal (line hemp concrete) (LHC), lã de Cânhamo, e isolamento de placa de fibra. O concreto pode sequestrar carbono, conforme a quantidade de armazenada no material. Sendo maior do que as emissões geradas durante sua produção, continua armazenando carbono durante a vida útil do edifício construído.

Com a revisão da Directiva Desempenho Energético dos Edifícios (EPBD), a Comissão pretende alcançar um parque imobiliário com emissões zero e totalmente descarbonizado, até 2050. Esse plano pode levar ao aumento da demanda por concreto de Cânhamo e outros produtos de construção à base da planta. Espera-se que esse mercado de concreto de Cânhamo na União Europeia duplique na próxima década.

Produtos Têxteis

O uso de Cânhamo para a produção de produtos têxteis é uma das aplicações mais antigas da planta. A indústria mundial é cada vez mais tem usando fibras de Cânhamo, que são muito semelhantes ao linho. No entanto, devido ao relativamente alto preços das matérias-primas, falta de fornecimento de fibra e escassez de instalações fabris, produção para têxteis ainda é limitada na UE.

Marco Regulatório nos Estados Unidos

Nos Estados Unidos, o Agriculture Improvement Act de 2018, também conhecido como Farm Bill 2018, autorizou a produção de Cânhamo e removeu as sementes da Drug Enforcement – Cronograma de Substâncias Controladas da Administração (DEA). Também criou um novo programa de Cânhamo, sob orientação do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Conclusão do Relatório

A versatilidade e o potencial de uso do Cânhamo, em produtos que vão desde alimentos a materiais de construção, está levando a um aumento na demanda do mercado para a planta. A Comissão Europeia continua a estabelecer normas para os seus produção, processamento e comércio. O cultivo da Cannabis sativa L. deve continuar crescendo e pode ajudar a UE atingir os seus objetivos do Pacto Ecológico.

Clique aqui e acesse o Relatório em Inglês